Header Ads

Américo Soares:«Os meus jogadores abraçavam-se quando se viam»


Quando recebeu o convite,  a meta imposta pela direcção era somente fazer um campeonato tranquilo mas o novo timoneiro foi mais longe: venceu a Série 2 da Honra e colocou o Gondomar B na Elite. O treinador Américo Soares é o principal rosto do sucesso mas prefere colher os louros juntamente com os seus jogadores, que o próprio classifica de "pessoas maravilhosas".  É um treinador ambicioso e um bom condutor de homens. Américo Soares, treinador do Gondomar B, é o entrevistado desta semana do Bancada Distrital.








Bancada Distrital: Na primeira vez que assumiu a equipa esperava terminar a prova no 1º Lugar?

Américo Soares: Quando recebemos o convite para treinar o Gondomar, a única coisa que nos pediram foi construir um plantel que permitisse fazer um campeonato tranquilo. Sabíamos o passado recente da equipa B, mas levamos connosco uma confiança e um optimismo que nos permitia pensar que podíamos realizar um bom trabalho e ter sucesso. Primeiro passo, foi identificar-nos com o clube e saber quais os jogadores que iam transitar da época anterior, identificar as lacunas e tentar contratar jogadores que nos permitisse fazer um plantel equilibrado, ambicioso e com qualidade. O inicio não foi fácil, os jogadores estavam demasiados agarrados a um passado recente que os inibia e condicionava a ter um rendimento de acordo com as qualidades que lhes reconhecíamos. Mas, com o desenrolar da pré-época, percebemos que podíamos discutir uma possível subida de divisão.

 BD:Quais as equipas que gostou de defrontar ao longo do Campeonato?

AS: O campeonato foi muito interessante com equipas muito bem organizadas e bem orientadas, das quais se destacavam as 6 primeiras equipas. Todas elas com uma ideia de jogo muito interessante e bastante competitivas, o que valorizaram ainda mais a nossa prestação e classificação.

 BD: De que forma o plantel está a reagir à suspensão da Fase de Apuramento de Campeão?

AS: A equipa está tranquila e continua a treinar com uma determinação e com uma vontade enorme para entrar em competição. Obviamente que esta paragem não beneficia ninguém. Só nos resta aguardar para saber qual será a decisão da AFP.


BD: O bom trabalho do Américo Soares ficou à vista de todos esta temporada, conseguindo que uma equipa de "míudos" praticasse um futebol atractivo, amadurecido e onde não falta o espírito de união no balneário. Será mais ou menos esta a sua filosofia enquanto treinador?

AS: Fomos capazes de fazer uma equipa extremamente competente e competitiva. Os jogadores, desde muito cedo, demonstraram uma extraordinária confiança no trabalho que estávamos a realizar e tornaram-se muito competitivos e ambiciosos. Os resultados foram aparecendo, com naturalidade. Treinei uma equipa que me motivava todos os dias, só em pensar que nos iríamos ver e, ao saber que os jogadores se abraçavam quando se viam, todos os dias, era para mim uma felicidade enorme. Os meus jogadores são pessoas maravilhosas.





BD: Na época passada orientou o Aves B e agora está novamente ao comando de uma equipa B. Qual o aspecto mais desafiante neste tipo de projectos?

AS: Foi com enorme prazer que treinei nestes dois últimos anos equipas B. Dois projectos totalmente distintos, mas nem por isso menos desafiantes. No Aves formamos uma equipa completamente nova, com jogadores muito jovens, com muita qualidade e ambição. Sendo uma equipa construída do zero, o trabalho ali realizado superou todas as expectativas. Conseguimos excelentes resultados desportivos e potencializamos jogadores para um patamar de excelência. Em Gondomar demos seguimento a um projecto que já tem três anos, mas que no ultimo ano não tinha sido bem-sucedido. Mas abraçamos o projecto com enorme confiança e motivação e juntamente com jogadores, com uma enorme personalidade e carácter, conseguimos fazer uma época notável. Mas, sendo equipas B, nada altera a minha motivação ou forma de treinar. A minha motivação é treinar, independentemente de ser ou não equipas B

 BD: Está desejoso de voltar a competir na Elite? O que pensa do principal escalão do futebol distrital? 

AS: Não diria desejoso! Sou um treinador ambicioso e gosto de campeonatos competitivos e desafiantes. A Elite é um campeonato muito competitivo, com equipas e jogadores com muita qualidade, por isso é com agrado que (se for o caso) volto à divisão de Elite.

BD: Por fim, qual a sugestão que gostaria de deixar relativamente ao actual quadro competitivo da AF Porto? 

AS: Na minha opinião a Divisão Elite da AFP devia ter só uma série, nem que para isso fosse constituída por 20 equipas. Seria com toda a certeza mais competitivo. Sendo constituída por duas series, seria justo subir o primeiro classificado de cada uma das séries.

Entrevista realizada por: Henrique Daniel Silva

Sem comentários

Com tecnologia do Blogger.