Header Ads

Futebolistas amadores com talento para outros palcos


Nesta nova época desportiva, o Bancada Distrital tentará, dentro das suas normais limitações, dar destaque a jovens jogadores que possam estar a emergir nas provas séniores da AF Porto. A minha experiência como jornalista no panorama do futebol distrital, leva-me a acreditar que mesmo nas competições amadoras, há talentos que mereciam outros palcos. A atitude mais sensata é aproveitar estas plataformas para os dar a conhecer a toda a comunidade do Futebol. 





Vi alguns jogadores que passaram ao lado de uma carreira como futebolistas profissionais e só não voaram alto porque talvez nunca lhes proporcionaram condições. Uma vez entrevistei um jogador do Beira-Mar, que na altura estava na Primeira Liga, que me disse que na sua geração, ele era um jogador mediano e que tinha colegas de equipa que nos escalões de formação eram "craques" no bom sentido da palavra mas como séniores, nunca passaram dos distritais. "Felizmente, o que me valeu foi o trabalho árduo e sobretudo, ter inteligência. Este foi o meu segredo para chegar até aqui", dizia-me ele.

Ter talento não chega, evidentemente. Interagi com vários treinadores ao longo destes últimos anos e aprendi que o factor psicológico pode ser determinante para a carreira de um futebolista. Uma vez, um treinador com currículo em clubes profissionais, dizia-me que o que torna um jogador de primeira liga é o ambiente em que esse mesmo jogador está inserido. Por outras palavras, um jogador que sempre disputou campeonatos amadores e se entretanto é chamado para treinar junto de jogadores de Primeira Liga, acaba por ter uma mentalidade de primeira liga. O jogador é modelado devido ao contexto em que está inserido e a partir daqui, a continuidade na alta competição dependerá de uma conjugação de factores.

O futebol está repleto de casos de jogadores que vieram dos distritais e demoraram alguns anos a atingir os grande palcos. Subiram a pulso, passaram por várias etapas até provarem o seu valor. No futebol não há impossíveis. 

 Henrique Daniel Silva

Sem comentários

Com tecnologia do Blogger.